Minha primeira audiência: o que fazer?

Atendemos nosso cliente, a princípio o caso é simples, mas será necessário a realização de instrução e julgamento e oitiva de testemunhas, pois certamente não haverá acordo entre as partes. 
Você, advogado dedicado que passou a sua faculdade toda estudando leis, jurisprudências, doutrinas, e somente viu a prática no NPJ, e nunca se defrontou com uma audiência, como deve proceder?
Primeiramente, manter a calma. Depois, selecione os fatos mais importantes. Deve-se destacar os pontos chaves, minuciosamente, para que assim seja possível salientar os pontos controvertidos do processo, pois é daí que você vai formular as perguntas para as testemunhas.
Importante também selecionar a ordem das testemunhas, pois assim ficará mais fácil para que o juiz compreenda melhor os fatos que você alegou em sua defesa.
Tome cuidado para que a sua testemunha não fale além do necessário, pois isso poderá trazer prejuízo ao processo. Lembre-se sempre de orientá-la a dizer apenas o que sabe, jamais inventar alguma situação. Converse com seu cliente e com suas testemunhas, com isso você estará adquirindo detalhes que irão enriquecer sua causa, e evitará surpresas em sua audiência.
Isso não é exagero, ser surpreendido é a pior coisa que pode acontecer em uma audiência. Por isso, pense sempre como o advogado da parte contrária, imaginando quais argumentos e pontos ele pode trazer para contrapor suas testemunhas e diminuir suas chances em um eventual debate perante o juízo. Para isso, devem ser feitas perguntas: Como o caso é apresentado para a parte contrária? O que é importante para a parte contrária apresentar em sua defesa? Qual o ponto principal para o caso do meu cliente e qual o ponto fraco? 
A partir daí você já tem informação suficiente para pensar como a parte contrária irá traçar a sua defesa.
Anote tudo o que acontecer em audiência, não esqueça de levar uma agenda onde possa fazer as suas anotações, elas serão muito importantes para uma eventual alegação oral. Sim, orais, é comum juízes desejarem pôr fim ao processo em audiência e é bom estarmos preparados para tudo!
Por fim, além de levar sua defesa em memorial ou por meio digital e saber qual artigo de lei citar na hora de argumentar a favor do seu cliente; você deve sempre manter postura e tom de voz firmes, sem demonstrar nervosismo e medo. De nada basta um bom argumento se você não sabe expor.
Uma boa eloquência e firmeza na fala e um bom posicionamento devem ser trabalhados a todo momento na advocacia. Caso preferi, faça um curso de oratória, ou então use a tática de falar em frente ao espelho, isso te ajudará e muito e cada vez mais suas audiências se tornarão menos desgastantes e temerosas.

Autora: Leila Cavasotti Almeida 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *