Debate trata de fake news e discursos de ódio

A presidente da Comissão de Estudos sobre Violência de Gênero da OAB Paraná, Helena Souza Rocha, presidiu na VIII Conferência Internacional de Direitos Humanos promovida pela OAB nacional em parceria com seccional, o painel sobre direitos humanos em tempos de fake news e discursos de ódio na manhã desta quarta-feira (15/9). Tomaram parte do debate a professora Estefânia Maria de Queiroz Barboza, da UFPR, e a jornalista Karina Pizzini.

“Há um processo global de erosão da democracia. Registra-se uma década de déficits democráticos e um grande número de países caminhando para a autocratização, sendo Polônia e Hungria os exemplos mais emblemáticos da Europa Central. No Brasil uma pesquisa recente do Datafolha indica que para 75% dos brasileiros a democracia é melhor que outras formas de governo. Lembremos, contudo, que há visões distintas do que seja a democracia. Há quem entenda que é preciso se defender da ´ditadura do Judiciário´”, destacou Estefânia.

A professora falou também sobre o populismo, que classificou como um movimento sempre antidemocrático por se recusar a reconhecer que a democracia só é possível por meio da lei. “Aí começam os ataques às instituições, às liberdades e aos órgãos de proteção de direitos. O compartilhamento de informações falsas, nesse contexto, é parte de um processo de manipulação do processo eleitoral. É um fenômeno mundial”, ressaltou.

“A desinformação enquanto conceito é a disseminação de informação falsa ou distorcida para atender interesses de um grupo. Há, em alguns casos, a tentativa de tentar imitar formatos jornalísticos. Nesse caso, as fontes falsas se apropriam da credibilidade da imprensa ao mesmo tempo em que contribuem por justamente afetar essa credibilidade. Fica afetada a relação da população com a mídia”, apontou Karina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *